Foz do Iguaçu – Parque Nacional do Iguaçu

Consideradas uma das 7 maravilhas naturais do mundo após votação promovida pela fundação suíça “New Seven Wonders” em 2011, as Cataratas do Iguaçu podem ser consideradas a alma do Parque Nacional do Iguaçu, criado em 1939, por decreto do presidente Getúlio Vargas.


As cataratas na verdade estão divididas entre o “lado brasileiro” e o “lado argentino”.

O acesso às Cataratas do Iguaçu pelo Parque Nacional do Iguaçu (lado brasileiro) acontece diariamente das 9h às 17h.

A primeira providência para quem não está hospedado no Hotel das Cataratas é ir até a entrada principal do parque e adquirir o seu ingresso.

Para quem está dirigindo, existe um amplo estacionamento, onde deve-se obrigatoriamente deixar o carro, pois o único meio de transporte autorizado para percorrer o parque são os ônibus da empresa que o administra, a Cataratas S.A.

Nós brasileiros pagamos R$20,00 - metade do valor do ingresso regular (R$40,00), os visitantes do Mercosul também tem um desconto, porém menor, e pagam R$30,00. Crianças abaixo de 12 anos e idosos brasileiros não pagam. Porém todos os visitantes devem adicionar ao valor do ingresso o transporte oferecido pelos ônibus do parque que é de R$7,50. Os adultos também pagam uma contribuição voluntária de R$1,30 destinado ao Fundo Iguaçu – Fundo de Desenvolvimento e Proteção Turística do Iguaçu. Ou seja, nós adultos brasileiros arcaremos com R$28,80 para ingressar no Parque.

Cabe lembrar que os ingressos também podem ser adquiridos pela internet no site das Cataratas e que no valor deles não estão incluídos os passeios adicionais existentes no parque - Macuco Safari, a Trilha das Bananeiras, a Trilha do Poço Preto e Esportes de Aventura.



Após embarcarmos no ônibus, devemos ter em mente o que gostaríamos de fazer primeiro, pois existem alguns pontos onde os ônibus param – Trilha do Poço Preto, Macuco Safári, Trilhas das Cataratas e Espaço Porto Canoas.

O parque oferece transporte em 18 ônibus: 5 articulados e outros 13 do modelo double-decker, aquele com dois andares, sendo que o andar superior tem ventilação natural.




Nós preferimos fazer o Macuco Safári, um passeio de barco radical que termina com todo mundo molhado, mas que será tema do nosso próximo post. Entretanto, nossa logística foi um pouco diferente, uma vez que estávamos hospedados no Hotel das Cataratas.



A mesma empresa que administra o Macuco Safári oferece outros passeios, como o da Trilha do Poço Preto e o da Trilha das Bananeiras, todos nos limites do Parque Nacional do Iguaçu.

Bem, sugerimos que a primeira parada para quem não quer ir direto ao Macuco Safári, seja na Trilha das Cataratas que fica localizada exatamente em frente ao Hotel das Cataratas.


Mas, se você quiser radicalizar, ao descer do ônibus não vá direto para a trilha das Cataratas e sim para o Cânion Iguassu, localizado bem ao lado do início da trilha e onde se pode praticar diversos esportes radicais, como rapel, arvorismo, tirolesa, muro de escalada e rafting. Confiram algumas fotos das atividades do Cânion Iguassu cedidas pelo pessoal do Macuco Safari:


Bem, voltando à trilha, logo em seu início encontramos alguns mirantes de observação das cataratas. Como esses mirantes ficavam bem em frente ao nosso hotel, é lógico que a maioria das nossas fotos foram tiradas de lá.










Logo no início já podemos perceber a maravilha que nos aguarda, pois ali estão presentes 275 quedas d’água isoladas, sendo que o total dos grandes saltos são 19. Em períodos de cheia essas quedas chegam a formar uma frente única, deixando a paisagem ainda mais impressionante.

Como 80% das cataratas estão do lado argentino, o visual do lado brasileiro é espetacular, pois conseguimos ter a visão de 100% das quedas, enquanto nossos vizinhos tem uma visão bem mais restrita das mesmas.










Uma cena bastante comum nas trilhas é cruzar com os quatis, animais predominantes naquela área e que não devem ser alimentados, pois a nossa comida tem feito muito mal à sua saúde e o convívio com os seres humanos tem tornado esses bichos bem ousados, a ponto de roubarem comida das mãos dos visitantes.

A propósito todos os visitantes recebem orientações a respeito de como lidar com os quatis e de como evitar o contato com esses animais, pois alguns podem, inclusive, transmitir a raiva.


Após um bom período caminhando e parando para contemplar todos esses saltos, chega-se ao final da trilha onde existe uma passarela de observação que chega até o ponto mundialmente conhecido com a “Garganta do Diabo”. Ali, sugerimos que você leve uma boa capa, pois vai se molhar bastante!







Depois do “banho”, podemos subir até o deck superior, chamado de Espaço Naipi, para tirar umas fotos no mirante bem ao lado de uma das quedas que formam o Salto Floriano. Para isso temos duas opções: subir de escada ou utilizar os elevadores panorâmicos.


Lá do deck superior a vista é igualmente magnífica e rende outras belas fotos dessa maravilha da natureza.







Saindo da trilha, podemos observar um memorial ao pai da aviação – Alberto Santos Dumont. Foi ele que, lá no ano de 1916, em uma visita à região da então chamada Vila Iguassu, ao avistar a exuberância do lugar, sugeriu que aquela imensa área se tornasse patrimônio público, comprometendo-se a interceder junto às autoridades do estado do Paraná.


Finalmente, chegamos ao Espaço Porto Canoas, local onde está localizado o restaurante Porto Canoas, que funciona das 12h às 16h no estilo buffet ao preço de R$45,00.

O buffet é bem variado e além de saladas, carnes e massa, oferece também feijoada. Mas o que mais nos surpreendeu no Porto Canoas foi o banheiro, moderno e todo automatizado.




No local, além do restaurante, tem também um café (sucos, salgados e sanduíches frios), uma lanchonete (sanduíches quentes, refrigerantes, batata frita), sala de primeiros socorros e loja de souvenir.



Dali do restaurante partem barcos que fazem passeios na parte superior das cataratas, ou seja, antes das quedas. Achei meio perigoso, pois se o motor falhar, mergulham todos nas cataratas, igual ao desenho do Pica-Pau.



Nesta parte do parque, podemos observar as trilhas do lado argentino do parque bem de perto.



É ali também que os visitantes pegam o ônibus de volta para a entrada do parque ou para outras atrações. E nós também tínhamos acesso livre aos ônibus para voltar para o hotel, que fica cerca de 700 metros dali.



No próximo post comentaremos como foi nossa aventura no Macuco Safári, um passeio de barco para lá de emocionante e encharcado. Até lá!

Serviço:
Parque Nacional do Iguaçu
Endereço: Avenida das Cataratas, BR-469, Km18, Foz do Iguaçu/PR
Horário: diariamente das 9h às 17h


Comentários

Postagens mais visitadas