Itália – Verona


Como comentamos no post anterior pegamos o nosso carro na Hertz de Veneza (agência da Piazzale Roma) e partimos em direção a Verona, a cidade de Romeu e Julieta.


As estradas são boas e têm 3 pistas nas duas direções. O pedágio funciona assim: é todo automatizado e não tem funcionário para te atender. Quando se entra em um trecho pago, há uma cabine para você retirar um tíquete. Não se paga nesse momento como no Brasil. Tem que prestar atenção para não entrar no guichê errado. Alguns são para quem tem o passe livre, como se fosse o sistema “onda verde” do Brasil. Chegando no guichê, é só apertar um botão e o seu tíquete vai sair. Pegue o tíquete, deixe ele disponível para quando tiver que pagá-lo, e continue sua viagem. Quando chegar o momento de pagar o seu trajeto, você vai ter que, necessariamente, passar por outra praça de pedágio, sempre em uma das saídas das autoestradas. Você vai inserir o tíquete no local indicado, vai aparecer o valor na tela e você coloca o dinheiro. O valor será proporcional ao total de quilômetros rodados a partir do seu ponto de entrada. Se tiver troco aguarde até ele cair todo na caixinha. A cancela vai abrir e pronto.
Chegamos em Verona por volta das 11h. Estacionamos em um dos muitos estacionamentos que tem na cidade (Parcheggio Multipiano Cittadella) e saímos andando para visitar os pontos turísticos.
Nossa primeira parada foi na Piazza Brà, onde está a Arena de Verona, construída na primeira metade do século I, como um anfiteatro romano que foi palco de combates dos gladiadores e onde, hoje em dia, acontecem shows que vão da ópera ao rock e também peças de teatro. É o terceiro maior anfiteatro da Itália e o mais bem preservado, sendo um dos lugares mais visitados em Verona.
Também na Piazza Brà está o Palazzo Barbieri, no estilo neoclássico, que agora é a sede da prefeitura da cidade. O palácio foi originalmente chamado Palazzo della Gran Guardia Nuova e abrigava funcionários associados às forças do Exército Austríaco ocupantes.


Para se chegar até a Piazza Brà existe um portão denominado “I portoni della Brà”, formada por dois arcos e com um grande relógio.
De lá fomos para a Ponte di Castelvecchio ou Ponte Scaligero que é uma ponte de pedestres sobre o rio Ádige e considerada a mais bonita de Verona. Construída no século XIV com mármore branco e vermelho e tijolos terracota, a ponte foi quase que totalmente destruída durante a II Guerra Mundial pelo exército alemão. Sua restauração teve início em 1949 e foi reconstruída respeitando sua forma original. De lá se avista o castelo do mesmo nome. Tiramos algumas fotos e fomos procurar um lugar para comer.
Antes, ainda passamos por duas belas construções históricas: o Arco Dei Gavi e a Porta Borsari, antigos portões romanos.

Como fizemos durante toda a nossa viagem, escolhemos o restaurante olhando o cardápio na entrada: se gostamos do preço e dos pratos, entramos. Passamos pelo Ristorante e Pizzeria San Matteo, que está instalado, inusitadamente, na antiga igreja de San Matteo, cuja construção foi finalizada no século XVIII, no Centro Histórico de Verona, perto da Porta Borsari. O restaurante tem o chão de vidro em determinados locais de onde você pode ver a cripta da igreja. Não tem nada de luxo, mas foi uma bela descoberta para o almoço e com preço honesto. Pedimos um risoto com gorgonzola, que nada tinha de sabor de gorgonzola, mas estava gostoso. Bebemos um chope e uma água.
Depois fomos na Casa de Julieta (Casa di Giulietta), um dos locais mais visitados de Verona, situada na Via Capello, 23.
O prédio é uma construção do século XIII e pertencia à família Dal Capello. A casa, abandonada, foi comprada pela prefeitura da cidade e, aproveitando a história da famosa peça tragédia de Shakespeare, se transformou no local onde, supostamente, Julieta teria vivido.
No pátio que dá acesso à entrada da casa tem uma estátua de bronze de Julieta, instalada no final dos anos 1960 e, diz a lenda, que quem toca o seio direito de Julieta tem felicidade no amor. A casa está aberta para visitação (Ingresso: €6) e muitos turistas não resistem à foto tirada da sacada do prédio, de onde Julieta ouvia as juras de amor de Romeu.
O local é sem graça e com a entrada totalmente pichada! Depois soubemos que as pichações são, na verdade, declarações de amor que são registradas nas paredes. A Prefeitura já tentou coibir esse tipo de ato, mas pelo visto, em vão.
A Casa di Giulietta está aberta ao público às segundas-feiras de 13:30 às 19:30 e de terça a domingo de 8:30 às 19:30.

Depois passamos pela Piazza delle Erbe, a praça das ervas onde têm inúmeras barraquinhas que vendem de frutas a imãs de geladeira. Antigamente era nessa praça onde acontecia a vida política, econômica e social da cidade. Em seu entorno há belas construções históricas, entre elas o Palazzo Maffei, a Torre del Gardello e uma fonte datada do século XIV, a construção mais antiga da praça, a Fontana de Madona Verona.

Caminhamos, ainda, em direção a Ponte Pietra, a ponte mais antiga de Verona que cruza o rio Ádige, datada de 100 AC. De lá podemos avistar o Teatro Romano e o Castel San Pietro.

Retornamos para o estacionamento, cujo valor ficou em €10. Para pagar o estacionamento também é tudo automatizado: você insere o bilhete, aparece na tela quanto você tem que pagar, você coloca o dinheiro, moeda ou nota e, se precisar, te dão o troco. O bilhete é devolvido para passar na cancela.
O mapa a seguir mostra a localização das principais atrações que nós vistamos em Verona:
Continuamos viagem em direção a Sirmione, uma das cidades mais bonitas que ficam à beira do Lago de Garda, chamada de a Pérola do Garda, e que falaremos no próximo post. Até lá!



Comentários

Postagens mais visitadas